Cuidado Integral do Missionário - CIM - AMES

2

A comunidade missionária em geral é exposta a situações extremas de adaptação linguística, cultural, social e econômica, atrelado a isto uma pressão espiritual muito forte por estarem na linha de frente, reconquistando territórios até então dominados pelo inimigo de nossas almas.

Há também conflitos entre membros da própria equipe de trabalho, onde leva algum tempo para o entrosamento, adaptação e flexibilidade para uma unidade do grupo a qual exercerão o ministério juntos.

E por fim cada missionário traz consigo uma bagagem de seu contexto familiar, sua educação e formação da personalidade e caráter, somado também as experiências adquiridas em sua caminhada de vida pessoal e ministerial.

É muito comum o missionário passar por alguns conflitos, depressões, tristezas, desânimos e dores, necessitando de um período de cura e renovo, recarregando suas energias e sendo acompanhado periodicamente, pois o missionário continua sendo ovelha e assim necessitando de cuidado e pastoreio.

O missionário por muitas vezes é visto como uma pessoa inabalável e com isso é exigido uma postura de super herói, não tendo o direito de falar das suas fraquezas, fragilidades e lutas pessoais e assim sofre calado ocasionando doenças físicas e emocionais, em alguns casos situações irreversíveis que o leva ao abandono do campo e do seu chamado.

Por isso é de suma importância que as igrejas e missões valorizem o cuidado integral do missionário, criando um ambiente emocionalmente seguro para que o missionário e sua família sejam assistidos de forma integral. Isso inclui cuidado com a saúde física, descansos periódicos, ferias planejadas, cuidado com a família ( filhos e área conjugal), apoio financeiro, cursos de capacitação ministerial, aconselhamento pastoral e atendimento psicológico.

O soldado ferido não pode ser abandonado no campo de batalha, é necessário resgatá-lo para ser curado e posteriormente voltar ao campo dando muito mais frutos.