Fevereiro 2019 - AMES

1

Batismo em Mirangaba: frutos do trabalho missionário

Então, Jesus aproximou-se deles e disse: “Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu ordenei a vocês. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos”.

O Batismo é uma decisão muito importante na vida de todos aqueles que seguem a Jesus. Segundo passagens bíblicas, esse acontecimento é uma forma simbólica de anunciar que aceitou Jesus como seu Salvador. E no Sertão, não é diferente: no dia 12 de janeiro, três pessoas tiveram a oportunidade de viver essa experiência na base de Mirangaba, na Bahia.

A jovem Letícia Santos França, de 14 anos, foi uma delas! Ela foi batizada ao lado da mãe, Cleidiomar Santos de Deus, e de Luciomário Lima do Nascimento, que também frequenta a base. O missionário Marco Antônio Guerra Alves, responsável pela base de Mirangaba, explica que foi o primeiro batismo na região.

“Estamos prestes a completar um ano da base em Mirangaba, então esse batismo foi um marco muito importante que mostrou que já começamos colher os frutos do nosso trabalho aqui. Isso é muito gratificante. E foi ainda mais especial, pois tivemos a presença de uma caravana missionária que estava na região”, conta Marco.

Confira algumas imagens do Batismo em Mirangaba (BA):

 

1

Caravana Missionária 2019: imersão na fé!

A primeira Caravana Missionária de 2019 foi cheia de bençãos: em janeiro, cerca de 900 caravanistas chegaram ao Sertão, em 21 caravanas, no intuito de pregar o evangelho restaurador. Veja como foi!

Visitas, gincanas e música

Pela primeira vez no Sertão, a estudante Luana Adami Meneghel, de 18 anos, membro da Igreja Batista do Vale, se encantou com o trabalho missionário realizado pela AMES.

“O que mais me impactou foi a questão da miséria. A ficha logo cai do quanto nós temos e não damos valor. Nós vamos ao Sertão achando que iremos ajudar e ensinar, mas acabamos aprendendo e sendo ajudados. Eles nos recebem com muito amor e carinho”, conta Luana.

Durante a caravana, a missionária participou de algumas atividades, como visitas às casas, gincanas com as crianças, distribuição de doações e até do ministério de louvor nos cultos.

Alegria no Sertão

Quem também participou da Caravana Missionária foi Markson Maique de Alencar Silva, de 22 anos. Ele é membro da Igreja Assembleia de Deus Argola, em Vila Velha, e foi para a base missionária de América Dourada, na Bahia.

Foi a segunda vez que o missionário esteve no Sertão. “Foi muito impactante. Dessa vez, passei por uma região mais seca, onde os sertanejos têm mais dificuldade ao acesso à água. Mesmo com todas as dificuldades, eles nos recebiam com sorriso no rosto”, completa.

Ajuda ao Sertão

Mais do que o testemunho da salvação, as caravanas missionárias também levam ajuda em várias áreas aos sertanejos, como:

• Atendimento médico, dentário e psicológico

• Doação de cestas básicas

• Material de higiene pessoal

• Kit Escolar

• Brinquedo

• Roupas (Infantil e Adulto)

• Calçados (Infantil e Adulto)

• Fralda Geriátrica

Quem também foi ao Sertão

 

                                     

Separamos algumas fotos para você ver como foi a Caravana Missionária 2019. Confira!

Conheça a AMES!

Para saber mais sobre a importância do trabalho missionário, clique aqui! Conheça nossos projetos e saiba como ser um voluntário e nos ajudar a levar sorrisos para o Sertão. Contamos com você!

Crédito das imagens: Luana Adami Meneghel

1

Oficinas para mulheres: talento multiplicado no Sertão

Dons são presentes que recebemos de Deus. Você sabia que nós podemos – e devemos – compartilhar esses talentos com os nossos irmãos? Nesse caso, a matemática é diferente: tudo que é dividido, é multiplicado! Prova disso é a história de Kátia Barbosa Ribeiro, uma missionária que já foi ao Sertão quatro vezes, por meio de caravanas, para propagar o amor de Jesus.

Ex-artesã, Kátia aproveitou a obra missionária para dividir seus conhecimentos com as mulheres sertanejas. Ela conta que foi ao Sertão pela primeira vez há seis anos e, desde então, já ministrou cursos de moldes vazados, laços e flores de EVA. “É uma forma de repartir o que eu sei fazer. É muito gratificante ver a dedicação dessas mulheres em aprender algo novo”, explica Kátia.

Retorno positivo

Em um dos cursos, ministrados durante uma missão em Afrânio, em Pernambuco, Kátia conheceu a sertaneja Rejane Lucas da Silva. Dias depois de voltar para sua cidade natal, a missionária recebeu uma mensagem da aluna contando que havia decorado a festa de 15 anos de sua filha com as flores de EVA.

“Vi a dedicação dela no curso, a presenteei com um kit de peças para fazer pétalas de flores de EVA e ensinei a fazer buscas na Internet para aprender a fazer novos materiais. Quando voltei para o Espírito Santo, ela me enviou várias fotos do aniversário da filha dela”, completa.

             

Aniversário e até fonte de renda

Após comemorar o aniversário da filha Joyce, Rejane continuou se dedicando ao artesanato. “Costumo dizer que me descobri como artesã. A Kátia me ensinou e ajudou muito, sempre com muito carinho. Agora, o meu desejo é ir além. Quero abrir o meu próprio negócio e viver do artesanato aqui no Sertão”, completa Rejane.

Conheça a AMES!

Assim como a Kátia, muitos missionários dedicam seu tempo para levar o amor de Deus ao Sertão! Você também pode nos ajudar com orações, sendo um missionário ou com doações para que a AMES continue com a obra missionária. Abrace essa causa!